Você está em: Manual Farmacêutico
Quero buscar por:
Digite a palavra:


OU

Selecione no índice alfabético:

Filtro por - Tipo: > Busca: V


Nenhum resultado encontrado
Antineoplásico/ Imunomodulador
TRETINOÍNA

Vesanoid 10mg capsula

Posologia

Consultar os protocolos individuais por doença

POTENCIAL EMETOGÊNICO

  • Mínimo a baixo

PRÉ-MEDICAÇÃO

Se necessário:

  • Metoclopramida 10 - 20 mg, VO, a cada 6 horas, s/n.
  • Opcional: lorazepam 0,5 - 2 mg, VO, a cada 4 ou 6 horas, s/n e omeprazol ou ranitidina.
  • Monitorizar reações distônicas; usar difenidramina 25 - 50 mg, VO ou IV, a cada 4 - 6 horas para reações distônicas.

PREPARO/ADMINISTRAÇÃO

  • Administrar com as refeições. Não macerar as cápsulas.
  • Estabilidade: TA sob proteção da luz.

 

Alerta

SINÔNIMOS

  • Ácido transretinoico; ATRA.

INDICAÇÃO

  • Indução da remissão em pacientes com leucemia promielocítica aguda, classificação M3 do grupo French American British FAB (incluindo a variante M3).
  • Medicamento de alto risco: o Institute for Safe Medication Practices (ISMP) inclui este medicamento na lista daqueles que apresentam maior risco de causar dano significativo ao paciente quando utilizados incorretamente.

REAÇÕES ADVERSAS

> 10%

  • Auditivas: otalgia e/ou congestão auditiva;
  • Cardiovasculares: edema periférico, desconforto torácico, edema, arritmias, rubores, hipotensão arterial, hipertensão arterial;
  • Dermatológicas: ressecamento da pele e/ou das membranas mucosas, prurido, rash cutâneo, alopecia;
  • Endócrinas e metabólicas: hipercolesterolemia e/ou hipertrigliceridemia;
  • Gastrointestinais: aumento de provas de função hepática, náusea e/ou vômito, hemorragia GI, dor abdominal, mucosite, diarreia, ganho de peso, anorexia, constipação, perda de peso, dispepsia, distensão abdominal, xerostomia;
  • Hematológicas: hemorragia, leucocitose, CIVD;
  • Locais: reações no local da injeção, flebite;
  • Neuromusculares e esqueléticas: ostealgia, parestesia, mialgia;
  • Oculares: distúrbios visuais;
  • Renais: insuficiência renal;
  • Respiratórias: distúrbios de vias aéreas superiores, dispneia, insuficiência respiratória, derrame pleural, estertores, pneumonia, sibilos expiratórios, ressecamento do nariz;
  • SNC: cefaleia, febre, mal-estar, dor, tontura, ansiedade, insônia, depressão, confusão mental;
  • Miscelânea: tremores, infecções, síndrome do ácido retinoico na leucemia promielocítica aguda, aumento da diaforese.

1 a 10%

  • Auditivas: perda da audição;
  • Cardiovasculares: hemorragia cerebral, insuficiência cardíaca, palidez, AVC, cardiomegalia, hipertensão pulmonar, infarto do miocárdio, miocardiopatia secundária, miocardite, parada cardíaca, pericardite, sopro cardíaco, isquemia;
  • Dermatológicas: celulite, fotossensibilidade;
  • Endócrinas e metabólicas: acidose;
  • Gastrointestinais: hepatoesplenomegalia, hepatite, úlcera;
  • Geniturinárias: disúria, aumento da frequência miccional, aumento da próstata, insuficiência renal aguda, necrose tubular renal; Hepáticas: ascite, hepatite;
  • Neuromusculares e esqueléticas: fraqueza em membros inferiores, inflamação óssea, marcha anormal, tremores, asterixe, disartria, dor no flanco, hemiplegia, hiporreflexia, paralisia facial;
  • Oculares: alteração da acuidade visual, déficit do campo visual, ressecamento dos olhos;
  • Renais: insuficiência renal aguda, necrose tubular renal;
  • Respiratórias: distúrbios de vias aéreas inferiores, infiltração pulmonar, asma brônquica, edema pulmonar ou laríngeo;
  • SNC: agitação, hemorragia cerebral, hipertensão intracraniana, alucinações, afasia, agnosia, ausência de reflexos superficiais, coma, crises convulsivas, demência, depressão do SNC, disartria, distúrbios medulares, edema cerebelar, encefalopatia, esquecimento, fala lenta, hipotaxia, hipotermia, perda de consciência, sonolência;
  • Miscelânea: edema facial.

< 1% (limitadas a reações importantes ou potencialmente letais)

  • Basofilia, catarata, conjuntivite, eritema nodoso, hipercalcemia, hiperuricemia, infarto renal, pancreatite, perda irreversível da audição, pseudomotor cerebral, síndrome de Sweet, síndrome do cólon irritável, trombose arterial, trombose venosa, vasculite.

INTERAÇÃO MEDICAMENTOSA

  • O cetoconazol aumenta a biodisponibilidade plasmática média da tretinoína.
  • O uso concomitante com agentes antifibrinolíticos (p. ex., ácido aminocapróico, aprotinina, ácido tranexâmico) pode aumentar o risco de trombose.
  • O uso concomitante com tetraciclinas pode aumentar o risco de pseudotumor cerebral. Inibidores da CYP2C8 podem aumentar os níveis e efeitos da tretinoína; são exemplos desses inibidores: atazanavir, genfi brozila e ritonavir. Os retinoides são mais absorvidos quando em concomitância à ingestão de alimentos. Evitar consumo de etanol devido ao aumento da depressão do SNC.
  • Não consumir erva-de-são-joão devido ao decréscimo dos níveis da tretinoína e devido ao risco de fotossensibilização. Evitar consumo de angélica chinesa devido ao risco de fotossensibilização. Evitar suplementação de vitamina A devido à hipervitaminose.

MONITORIZAÇÃO

  • Monitorizar o perfil hematológico e o perfil da coagulação do paciente, resultados de provas de função hepática e os níveis de triglicerídeos e colesterol frequentemente.

CONDUTA NUTRICIONAL

  • Mucosite, estomatite ou odinofagia: evitar os alimentos ácidos, picantes, crocantes, duros, cortantes ou que possam machucar a mucosa; preferir alimentos macios e, se houver necessidade de alteração na consistência, utilizar alimentos pastosos ou líquidos. Não consumir alimentos em temperaturas extremas (muito quente ou muito fria) e bebidas com gás ou alcoólicas. Se necessário, incluir complemento nutricional hipercalórico e hiperprotéico.
  • Diarreia: evitar consumir leites e derivados, frutas e sucos de frutas laxativas, alimentos que contenham grãos ou farinhas integrais, leguminosas e verduras (como: brócolis, couve-flor, couve, alface). Estimular a ingestão de líquidos para evitar a desidratação.
  • Anorexia: ingerir alimentos conforme aceitação, em pequenas quantidades (2/2 horas ou 3/3 horas); fracionar as refeições em 4 a 6 vezes ao dia. Elaborar preparações coloridas e variadas, e incluir novos alimentos no cardápio. Consumir alimentos calóricos e, se necessário, utilizar complemento nutricional hipercalórico e hiperprotéico.
  • Náuseas e vômitos: evitar consumir líquidos durante as refeições; não ficar próximo da área do preparo de alimentos; preferir alimentos gelados e/ou em temperatura ambiente e de fácil digestão; ingerir líquidos em pequena quantidade, várias vezes por dia (atenção à hidratação).
  • Constipação/obstipação: consumir alimentos ricos em fibras como: frutas frescas, frutas secas, produtos integrais, leguminosas e hortaliças; ingerir líquidos adequadamente, nos intervalos das refeições, para auxiliar no funcionamento intestinal.
  • Ganho de peso: realizar refeições equilibradas e saudáveis em ambiente tranquilo, sem pressa, mastigando bem os alimentos. Evitar frituras, alimentos ricos em gorduras, ricos em açúcar e sal. Preferir alimentos cozidos, assados e grelhados. Consumir hortaliças e frutas diariamente e não esquecer que as dietas deverão ser individualizadas.
Última atualização: 17/11/2016
© Todos os direitos reservados